quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Toda nudez será descoberta

A Bíblia relata a primeira nudez diante de Deus: foi no jardim do Éden.

O interessante que aquela vergonha só tinha Deus como observador.

Se quando eles se perceberam nus, se envergonharam um do outro, isso não sabemos, mas o fato deles terem feito uma túnica de folhas para se encobrirem pode ter sido em razão das visitas regulares que Deus fazia diariamente ao primeiro casal. A simples expectativa do aparecimento de Deus naquele dia os fez se previnir da vergonha a ser enfrentada. Como crianças que se adiantam de terror prevendo a surra que irão levar do pai logo após fazerem o que não deviam.

A reação do Pai quanto a nudez coberta pelas folhas naquele casal foi surpreendente: Preparou uma túnica de pele de animal. E como diz o comercial que vende artigos de couro na televisão: "O couro é para sempre".

Aqui se mostra o Caminho da Graça e o caminho da religião.
As folhas tipificam a tentativa do homem de se encobrir diante de Deus. Cobrir as suas vergonhas. Um avental de folhas manufaturadas pelo próprio homem. Uma produção humana. Com pouca duração, visto que as folhas iriam secar-se, engrufinhadas não escoderiam mais nada. Mais cedo ou mais tarde eles teriam que fabricar novas vestes para se encobrir. E a permuta teria que ser constante.

Não se trata aqui de um quadro bem parecido com os sistemas religiosos da Terra?

Outra coisa: apesar deles estarem cobertos de folhas, quando ouviram a voz de Deus que vinha pelo jardim, eles se esconderam atrás de uma árvore. Pra que serviam então aquelas folhas? Ficar atrás da arvore é a tentaiva final do homem poder encarar Deus?
Se usassem um escafandro de chumbo, mesmo assim não se sentiriam confiantes de que pudessem encarar Deus. Por que? Porque nada que possamos fazer para enfrentar Deus pelos nossos próprios esforços nos garantirá êxito nesse encontro.

Uma vez que o próprio Deus percebeu a idiotice da coisa, ele mesmo preparou um vestuário decente e permanente para o casal envergonhado, e até onde sabemos, não se tocou mais neste assunto: quisito vestuário; até pelo contrário, registros arqueológicos revelaram que se vestir com couro de animais vem acompanhando a raça humana desde a mais tenra idade na terra.

Derramamento de sangue no solo fértil do paraíso foi o resultado daquele ato de miseridcórdia de Deus.

A sombra do Cordeiro de Deus que foi morto desde a fundação do mundo se manisfetou neste ato sagrado de Deus cobrir as vergonhas do homem.

Interessante que quando nós estamos cobertos pela justiça do Cordeiro de Deus, não há mais vergonha e nem medo de Deus. Ele morreu nu na cruz para que nós fossemos cobertos em nossa vergonha diante de Deus. A nudez dele nos cobriu. Como animal que teve sua pele arrancada, para seu couro, uma vez curtido, possa servir de vestimenta ao homem, assim ele nos cobriu definitivamente para sempre diante de Deus.

Na parábola do grande banquete, um sujeito foi expulso porque não estava vestido com as roupas fornecidas pelo Rei. Embora estivesse com roupas própria.

No Apocalipse, a humanidade tenta se esconder de Deus porque descobre que está nu diante do Grande Trono Branco.

Nenhum tipo de religião consegue cobrir a nudez do homem diante Deus. Nem mesmo a Igreja (instituição) consegue. Lembro-me de quantas coisas fiz para poder esconder minha vergonha de diante de Deus.

Era como se frequentar a igreja todas as noites da semana, dar o dízimo, ofertar, evangelizar, suportar as hipocrisias da liderança e coisas desse gênero, me proporcionasse a cobertura suficiente, e de fato, havia um auto engano de minha verdadeira condição espiritual, pois estas coisas frequentemente nos dão a sensação de que estamos seguros, uma vez que voce cumpre todas as exigências que lhe são impostas.

Estas coisas tem um certo valor mas não serve para nos cobrir suficientemente de Deus.
A verdade é que com o tempo a gente vai substituindo as roupas. Fazemos um retrocesso. Trocamos a pele do Cordeiro por folhas da justiça própria. Entramos na corrente da barganha com Deus. Se oramos, lemos a bíblia, frequentamos os cultos, e somos fiéis, então merecemos ser abençoados. Afinal de contas, nossas produções nos vestem!

Sobreviver pela fé na justiça do Cordeiro fora dos arraiais dos templos cristãos, nos coloca numa real condição diante de Deus e da nossa espiritualidade. Tê-Lo como sua única vestimenta faz toda a diferença! Quando todos os mecanismos da religiosidade nos são arrancados, vemos se afinal de contas estamos vestidos ou não.

Em tais condições, é muito gratificante poder ser coberto por Ele!

Nesse caso, espiritismo, catolicismo, protestantismo, budismo, islamismo e outros "ismos" não faz nenhuma diferença, são só folhas que com o tempo secarão e desaparecerão.

3 comentários:

clau disse...

nossa ! Quanta verdade.

silvana gonzalez disse...

nossa!!gostei!!
muito verdade tudo isso !!
quantas vezes escutamos q Deus conhece todas as coisas e não temos a plenitude desta palavra!!
esconder-se de Deus é impossivel e mesmo assim o homem desde o inicio e até os dias atuais tenta realizar essa façanha!!!

FOLGOSA disse...

amei seu blogger passa no meu
raio.estrela@yahoo.com.br