terça-feira, 30 de abril de 2013

Sistema educacional falido.



Estou iniciando minha carreira como professor eventual em algumas escolas estadual de minha cidade (2.001).

Até o momento presente, depois de estar há muito tempo afastado do universo educacional, seja sendo um aluno, seja sendo alguém que acompanhava de longe as tantas informações, reclamações  discursos e promessas de políticos em ano eleitoral, ou até mesmo assistindo alguns debates e palestras de educadores que se apresentam em programas tipo TV Cultura, estou sentindo na pele e nos ossos os sintomas de um sistema falido; pelo menos é a primeira impressão que tenho.

Por muitos anos vivi no universo religioso das igrejas por onde pastoreei. Uma verdadeira "redoma" de vidro espiritual. Para mim, hoje, as pregações e promessas de púlpitos de muitos pastores que nada sabem e nada entendem do que é ser professor e aluno de uma escola pública neste país, são verdadeiros discursos vazios, alienantes e desinformados!

A realidade do Sistema educacional nas escolas estaduais é triste. Desde o "alto da cabeça até as plantas dos pés". Há tantas panelinhas, esqueminhas e tanta gente, ou melhor, professores e professoras que encontraram as tetas macias do governo para mamar no sistema educacional. 

O sistema de pontos e atribuição de aulas é uma piada. A quantidade e as facilidades de licenças que uma professora pode tirar parece brincadeira de criança. Por exemplo:

Alguns dias atrás fui participar de uma "atribuição" de aulas numa cidade vizinha. Como sou iniciante, fui o primeiro a chegar. Logo que você chega, você é recebido de maneira explicitamente clara que "ali" você não é bem-vindo! Se eu acreditasse em mau olhado já teria virado caveira desde a primeira tentativa.

No horário informado, um número de aproximadamente 20 professores e professoras estavam presente para pegar algumas aulas. Havia 98 aulas vagas para serem atribuídas. De repente, uma professora "aposentada", muito risonha gorda e simpática, chegou cinco minutos após (o celular dele tocou um pouco antes) o secretário ter dado abertura da reunião. A impressão que eu tive é que o secretário estava "enrolando" por causa do atraso dela, pois logo que ela chegou, foi recebido com muita euforia e beijinhos aqui e ali pelo dito cujo. Afinal, ela era a que tinha o maior número de "pontos", e era muito amiga da diretora daquela escola, resumindo: ela conseguiu os melhores horários e o maior número de aulas possível, seguido de outras 4 professoras que "enxugaram" todas as vagas, e o resto de nós ficamos a "ver navios"!.

Alguém poderia afirmar: "mas ela merece, pois já "pagou o preço de muitos anos de trabalho!" 

Concordo!

O problema é que, (fiquei sabendo por alguém lá de dentro) no dia seguinte ela tirou licença para receber do governo o salário de aposentada mais o salário das aulas que lhe foram atribuídas, isto é, que não ia trabalhar e o fato de ela ter passado as aulas para uma sobrinha (eventual) que nem da reunião da atribuição participou!! 

Isso pode?
No Brasil pode!

Para mim é postura antiética e desonesta de um sistema falido!
E é assim que funciona!
E sei que não denuncio nada novo. 
Sem ingenuidades!

Numa outra escola, um vice diretor, que nem o nome conseguia escrever direito foi nomeado pela Diretora, pois ele era o amigo do sobrinho do cunhado do marido dela. Ela então (a diretora) fica fora da escola a maior parte do tempo (cuidando de assuntos pessoais), enquanto ele "administra" a escola! Recebe salário da escola e mais a aposentadoria e a diretora também!

Num "exame" de coordenadoria para as escolas de uma região aqui próxima de minha cidade, uma senhora que havia vindo para prestar as provas e que conseguira a média de pontos mas não foi aceita, confidenciou à um amigo meu: "Estou aqui porque aproveitei tirar uns dias de licença, mas este é um "jogo de cartas marcadas, já foi tudo decidido entre a diretora, coordenador pedagógico e o secretário (sobrinho dela). Até hoje eu e meu amigo estamos tentando entender o que ela quis dizer, pois só gente "daqui" conseguiu as vagas!? (sic)

Eu sei que os alunos são difíceis de lidar!
Eu sei que os lares desses alunos muitas vezes são um inferno!
Eu sei que eles trazem este inferno para dentro da classe!
Eu sei que o governo tem descaso pela educação pública!
Eu sei que tem escolas e professores que são exceção do que escrevo aqui!

Esses dias ouvi o secretário da Educação dizer que "já que não conseguimos levar a escola até as ruas, vamos levar as ruas até as escolas" . Fácil pra ele dizer isso sentado à mesa do seu escritório com ar condicionado e com o salário de $ 30.000,00 reais ao mês enquanto eu tive que enfrentar um aluno dentro de minha sala de aula com uma arma calibre 38 na cintura!!!

Hoje eu sei!

Mas fazer de tudo isso uma desculpa para corrupção dentro do sistema escolar é pura hipocrisia social e discurso falso!

Se a coisa continuar do jeito que está, o futuro do Brasil e dos nossos jovens estão comprometidos mesmo!

Reinaldo de Almeida

Nenhum comentário: