quarta-feira, 3 de julho de 2013

Um perdão com defeito é pior do que perdão nenhum



De fato, só existe um tipo de perdão: o absoluto!

Mas, o perdão mal dado é mais comum do que se pode imaginar. Na verdade, parece que ele é o mais frequente entre nós, mas muito distante do perdão ensinado por Jesus.
Há uma amnésia propositada no perdão divino. Um esquecimento perfeito, como é perfeito aquele que esquece dos nossos pecados diários.

Observe a conduta de Jesus em relação à Pedro depois da ressurreição e da subsequentes "afirmativas" por parte de Pedro ("Pedro, tu me amas?). Não se tocou nunca no assunto. Se não soubéssemos que Pedro havia negado tres vezes o seu Mestre, o que dependeu da narrativa daquele encontro no lago da Galiléia após a ressurreição, jamais conseguiríamos "vincular" aquelas tres perguntas dos "amores" que Jesus inqueriu de Pedro , preso ao fato de que aquilo seria e foi uma maneira de restaurar a saude espiritual, emocional e psicológica de Pedro. Mas mesmo assim, não há ali nenhuma explicação explícita relacionando um episódio com o outro, ou há?
Isso é perdão, o resto é ilusão!
Conseguimos perdoar assim?

Observe que a conduta de Jesus é exatamente igual a do pai da parábola do filho pródigo que foi narrada em Lucas 15. O pai da parabola não toca no assunto em nenhum momento sequer. Quem relembra o pai do prejuízo causado pelo filho prodigo foi o irmão mais velho. E mesmo com as acusações, o pai não toca no assunto.

Um dos episódios mais impressionantes de perdão na Antigo Testamento foi no caso trágico seguido de assassinato na vida do rei Davi
Uma vez que Deus pune Davi com a morte da criança, fruto de um caso extraconjugal com Bate Seba, a bíblia diz que o filho nascido depois foi amado pelo Senhor (Salomão)seguido pelo fato de Deus nunca mais tornar a tocar no assunto de novo! Posteriormente, muita coisa ainda aconteceu na vida de Davi e na história de Israel, mas em momento nenhum Deus depois toca no assunto, pelo contrário, numa profecia entregue a Ezequiel sobre os pastores de Israel (Ezequiel 34), muitos anos depois, Deus toma Davi como referência de pastoreio, dando-nos a impressão de uma tristeza saudosa do amor de Davi pelo povo de Deus.

Que perdão perfeito! Que perdão divino!
Somos chamados a perdoar da mesma maneira, tanto no sermão do Monte (Mateus:5), como na Oração do Pai nosso e em muitos outros momentos, tanto nos evangelhos como nas epístolas neotestamentárias.

Só a Graça de Deus no coração pode retransmitir um perdão assim.

Como disse Caio Fábio: "Perdão é encarnação da Graça!"

Nenhum comentário: