quinta-feira, 3 de abril de 2008

Modelo Perigoso

Observe no livro do Êxodo que primeiro Deus dá a Lei (a Palavra) (cap 20) e depois ele ordena a construção da Tenda Sagrada (cap 25). Primeiro o conteúdo, depois a fôrma onde será colocado este conteúdo. Primeiro a substância, depois o local onde esta substância será guardada. A Tenda do Tabernáculo existe em razão da Palavra, e não o contrário. A Palavra é maior do que a Tenda, tanto é verdade que as Tábuas dos dez Mandamentos foram colocadas dentro da Arca que é o centro do Tabenáculo. No entanto, a importância da Tenda estava em ser o receptáculo da Palavra.
A Tenda tinha o "compromisso" de preservar a Palavra.
O povo não "via" a Palavra, só viam o Tabernáculo.

A Tenda tinha que estar em harmonia com a Palavra, por isso Deus disse à Moisés "fazei exatamente o modelo que te mostrei no monte" (Exodo 25:9). Não deveria haver NADA da vontade pessoal de Moisés, por mais chegado que ele fosse de Deus.
Isto está claro?
Observe que até os "preguinhos" tinham que ser de acordo com a vontade de Deus.

Existiam muitos templos pagãos na época de Moisés. Arquitetônicamente falando, muito mais bonitos e suntuosos que a Tenda. Muito mais belos e fabulosos que aquela humilde Tenda sagrada. No entanto, o compromisso de Moisés era de não imitar e nem buscar um modelo fora daquele que Deus havia lhe mostrado no Monte Sinai.(Leia Hebreus 8:5)

A Tenda não era maior do que a Palavra, mas o povo não via a Palavra, via a Tenda. Observe que Deus, a príncipio, prefere não ter um Templo, pois sabia-se do perigo de "condicionar" o Sagrado num Templo de pedra. (Leia 2ºSamuel 7:4-7). Por amor a Davi, Deus permitiu que o Templo fosse edificado.

Mais tarde, aconteceu o que se temia: o Templo virou um laço religioso (Jeremias 7: 1-4). O Templo em si não tinha culpa, mas sim o "sistema" criado em torno dele. Em Ezequiel 8 ele se torna abominável para Deus.

Na história de Israel ele é destruído e levantado três vezes. Finalmente, Jesus o amaldiçoa e profetiza sua ruína definitivamente (Mateus 24: 1,2).
A relação de Jesus com o sistema religioso que envolvia as pessoas ligadas ao Templo sempre foi tensa. Em si, o Templo não tinha vida própria. Mas a liderança manipulava os valores espirituais do templo conforme o que lhes interessava. Jesus denunciou isso de maneira violenta. Expulsou os vendedores com um reio na mão e lançou um duro julgamento sobre os líderes no Templo (Mateus 23). Nessa mesma ocasião disse que Deus não mais moraria ali e um novo Templo seria erguido, não com mãos humanas, onde Deus habitaria para sempre (João 2:14-21, com ênfase no verso 21).

Não sou contra um local próprio de adoração para a igreja de Jesus. Não sou contra a Igreja do Senhor Jesus que se reúne semanalmente nestes locais para a celebração. Mas, algo sutil está acontecendo de novo em relação a Igreja.

Eu pergunto: quanto dinheiro se gasta para a manutenção do "templo" e para sustento do sistema que gira em torno dele?
Hoje se você não fôr à um templo de tijolo que estão chamando erradamente de "Igreja" , você está se "desviando". Ir na igreja é ir no templo e vice versa. Um salão alugado onde foi uma mecânica de carros pode virar "igreja" e ganhar contornos do sagrado a ponto de se tornar o próprio sagrado! É um retorno àquilo que o próprio Jesus denunciou!

O problema não é o local em si (repito: não sou contra templos), mas o significado que ele assume na mente das pessoas, principalmente no maior interessado em tirar proveito dele, "o pastor", isso é que preocupa.

Foi este o "MODELO" que Jesus ( nosso Moisés) recebeu do Pai no monte Gólgota? Foi este o modelo da Igreja que ele nos deu para construir? Foi por isso que ele morreu?
A quem devemos nossa obediência?
Aquilo que consideramos tão valioso e "sagrado" tem tanto valor assim conforme você percebe nos evangelhos e segundo Jesus? Voce já leu o evangelho a respeito disso?

Jesus valorizava o ser humano. Sempre.
O homem é maior do que o sábado.
A reconciliação é maior do que a oferta e o altar.
O gesto do samaritano foi maior do que do sacerdote e do levita.
Ofertas e sacrifícios não substituem a Misericórdia.

É difícil de entender e perceber isso na Bíblia?

Afirmamos que somos fiel a Palavra (Jesus é a Palavra encarnada), mas desobedecemos descaradamente ela!
E ainda afirmamos e defendemos nosso cristianismo com unhas e dentes.
Tememos os homens; suas ameaças e o que as pessoas podem pensar de nós, mas negamos Jesus e o MODELO que ele nos deu!

Que Deus tenha misericórdia de nós, pois ainda achamos que temos o "direito" de reinvindicar suas promessas!?

Que a graça e a misericórdia de Deus nos cubram!

Nenhum comentário: