segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O cuspe nojento transformado em cura e o lazarento que entrou no céu.

É incrível como Jesus transforma as expressões de ódio em amor...
No Antigo Testamento, num momento de inveja de Miriã contra seu irmão Moisés, a narrativa bíblica indica o castigo de Deus sobre aquela mulher tornando-a leprosa. Deus ilustra a situação dela como um pai que cuspiu no filho.


Clamou, pois, Moisés ao SENHOR, dizendo: O Deus, rogo-te que a cures.


E disse o SENHOR a Moisés: Se seu pai cuspira em seu rosto, não seria envergonhada sete dias? Esteja fechada sete dias fora do arraial, e depois a recolham.


Assim Miriã esteve fechada fora do arraial sete dias, e o povo não partiu, até que recolheram a Miriã.


Numa situação como essa , ficou então o cuspe como coisa nojenta e abominável para as pessoas no Antigo Oriente. Um estigma se estabeleceu então: o leproso era alguem em quem Deus havia cuspido e fora amaldiçoado.
É claro que Deus não havia dito nada assim no caso de alguem estar com lepra, mas a natureza humana tem mania de estabelecer o paradigma.


Cuspe, também chamado de Guspe pelo povão, é a arte de expressar desprezo (e falta de higiene) por alguém, através da liberação do excesso de saliva que está espumando pela sua boca, neste momento.



Então Jesus aparece e quebra o estigma quando usa o cuspe para curar um cego ao misturar saliva com terra formando um barro e passando nos olhos do cego. Ele constrói os olhos do cego, usando a terra, já que o homem foi formado do pó da terra, e a saliva, já que o corpo humano é formado de 70% de água. Na criação de Deus, nada é imundo; só depende da motivação interior de seu coração.
Já em Betsaida, novamente ele toma um outro cego pela mão, aplica a saliva diretamente nos olhos, trabalhando na cegueira teimosa do homem.
Um judeu comum, ou no caso, até mesmo nos dias de hoje, olharíamos para Jesus com estranheza e questionaríamos tal gesto, pois cuspir é a expressão máxima do desprezo por alguém, mas no caso de Jesus ele usa tal gesto para curar vidas...
E finalmente, ainda na Galiléia, quando atravessa a região de Decápolis, ele, de fato, usa e abusa do cuspe: toma um surdo e gago pelas mãos, retira-o do meio da multidão, enfia os dedos no ouvido do homem, depois cospe nos dedos e toca na lingua do homem.  Imediatamente o homem começa a ouvir e falar desembaraçadamente. (Marcos 7:33)
São os homens que são maus. Nada de ruim há quando um gesto, um toque, uma expressão é feita com amor e graça. Nessas pequenas expressões físicas de amor, Jesus destrói estigmas de maldições.




No meu tempo, lazarento era um palavrão. Hoje essa expressão verbal caiu em desuso.
Sempre indaguei o que queria dizer tal palavrão; queria saber de onde se originara essa palavra. Disseram-me  que um lazarento era um leproso amaldiçoado. Alguem feridento; com chagas pútridas. Mas foi Jesus quem saiu com essa história O interessante é que captaram só a situação negativa do sujeito, quando na verdade, Jesus mudou os polos quando colocou o miserável Lázaro no seio do Abraão.
O Lázaro da parábola contada por Jesus, foi redimido; ele entrou no céu, no seio de Abraão.
O que me chama nessas duas situações e a percepção de Jesus em transformar aquilo que é "demonizado" pela cultura do povo em geral, transformando e chocando o pensamento da média da maioria das pessoas. Jesus "bate de frente" com a mania do povo em ridicularizar, demonizar e estigmatizar pessoas e situações.
Para ele a vida é maior do que qualquer gesto nojento e estigmas profanos.
Ele toca no leproso sem medo de que a lepra lhe fosse transferida.
Hoje temos uma geração de cristão "meia-boca"; uma geração de crentes "talquinho pom-pom"; eles tem medo de tudo. Pessoas que não devemos tocar, conversar (...) . Lares e lugares que não devíamos entrar por que o "maligno" está ali. Vamos embarcando naquilo que é ditado pelas pessoas como sendo "impuro" e "intocavel".
Jesus purificava gestos e situações.
E nós? Redimimos ou reforçamos os mitos e situações?


Reinaldo de Almeida

Nenhum comentário: